16 dezembro 2011

Idéia de Índio


Inspirada na espinha dorsal,o design Adam Cornish criou essa rede em madeira totalmente maleável.São placas de pinos conectadas em eixos rolantes que garantem o balanço.Milão 2010.




Juntamente com a mandioca ou aipim para alguns, a rede é uma herança do design indígena.
Ela se tornou inseparável do índio,do mameluco e do sertanejo contemporâneo,chegou até os dias atuais com muito estilo e despojamento.
Adapta-se ao clima tropical com excelência,fácil de transportar,de fácil higienização e fácil de guardar.Seu valor funcional e estético é admirável.
Durante o Brasil colônia era muito utilizada para dormir, enterrar os mortos no meio rural e como meio de transporte, onde os escravos carregavam os colonos em passeios pela cidade e até em viagens.
A “hamaca” (para alguns)– ou rede de dormir – é um artefato legado dos indígenas da América do Sul. Teve grande importância na sociedade brasileira dos primeiros anos do descobrimento e durante toda a época colonial.
Com a vinda dos portugueses, as mulheres dos colonos adaptaram a técnica indígena às suas varandas, passando a fazer as redes em algodão (tecido mais compacto), enfeitadas com franjas. Hoje em dia, as redes são fabricadas de diversas formas e materiais, desde as mais tradicionais de fio, tecidas em "batelão" (tear) mecânico ou elétrico, até as feitas a partir de tecido ou de materiais sintéticos como nylon e outros materiais.
Na região nordeste do Brasil, a rede ainda é muito utilizada para dormir em substituição à cama,
sendo também tradicionalmente utilizada para descanso em casas de praia  ou de veraneio.




Ousada




Tradicional



Na praia

Fashion

No quintal se vc tem um....


Bar carioca ambientado com redes no teto

Redes mexicanas

Na árvore


Em berçários  para ajudar no tratamento de prematuros,olhem que coisa linda isso!!

...Tradicionalmente associada a uma imagem de descanso e lazer, a rede adquiriu mais uma função, o de recuperar. Além de acalmar os bebês, o método permite que as crianças deixem o hospital mais rapidamente. “Geralmente, os bebês prematuros são mais irritados. Como a rede deixa as crianças mais calmas, o gasto energético delas diminui. Poupando energia, elas ganham peso e se desenvolvem mais depressa”, explicou a enfermeira Edilaine Freitas. Referência: Gazera do Povo/foto – Por: Marcus Ayres





Tradicional ou não escolha a sua,as vezes ela é tudo que a gente precisa....

abç a tds.



Você sabia
1....que a rede de dormir é um artefato legado dos indígenas da América do Sul e que não há registro algum da rede antes da descoberta da América.
2....que a primeira citação nominal em português da rede de dormir foi feito em 27 de abril de 1500 pelo escrivão da frota portuguesa, Pero Vaz de Caminha, na ocasião em que o Brasil foi descoberto.
3....Que não há referência antiga da rede fora da América. O português haveria levado a rede para a Índia e para a África.
4....Que de acordo com os registros colhidos até hoje, as redes possuem o copyright sul americano.
5....que o nome “rede” foi dado por Pero Vaz Caminha (que é chamado “padrinho da rede”), devido à semelhança com a rede de pescar. Os índios a chamavam de “ini”.
6....que a rede indígena era tecida em cipó e lianas (fibra de palmeiras). Com a chegada dos portugueses, as mulheres dos colonos adaptaram a técnica indígena as suas varandas, substituíram o tucum e passaram a fazer a rede em algodão enfeitando-a com franjas.
7....que a manufatura da rede na sociedade brasileira dos primeiros anos do descobrimento e durante toda época colonial era ofício feminino, e que também sofreu influência dos jesuítas que ajudaram na sua disseminação em território brasileiro.
8....As rede eram uma herança familiar e que eram peças obrigatórias em todos os antigos inventários feitos no sertão.
9....que os portugueses criam, inspirados nas liteiras, a rede como meio de transporte, em que os colonos e suas famílias eram carregados em passeios pela cidade e até em viagens.
10....Que a cama na casa grande era uma obrigação protocolar, dormia-se na rede.
11....que a rede copiada pelos europeus no sec. XVI seguiu padrões planos, tal como as camas, onde se dorme no sentido do comprimento. Na rede indígena, ao contrário, deita-se na diagonal.
12....que a rede de dormir jamais se popularizou-nos outros continentes, porque o modelo importado foi o europeu, deformada em esteira esticada.





Fonte:  CÂMARA CASCUDO, Luís da: Rede de dormir – uma pesquisa etnográfica
melmorenaboutique , redesvitoria, construção,adamcornish, qir

5 comentários:

  1. Oi, Adriana!

    Que bom que você gosta do meu site! O seu também é cheio de coisas interessantes, vou linkar e frequentar!

    Parabéns e abraços!

    ResponderExcluir
  2. Eu tenho uma rede cereja linda. Não troco ela por nada, feita de nylon é super leve. comprei aqui óh: www.kalma.com.br/loja Recomendo!!!
    Bjos e parabens pelo blog Amanda

    ResponderExcluir
  3. Oi Lígia!!

    Que prazer ter você por aqui,volte mesmo sua opinião é muito importante.

    Grande abç e obrigada pelo link.

    ResponderExcluir
  4. Oi Amanda!!

    Bem vinda e volte sempre,fica aqui sua dica.

    Abç.

    ResponderExcluir
  5. Adoro redes, o modelo fashion pode ser todo desenvolvido em pvc ou pet reciclado, garantindo durabilidade a ambientes externos.
    Uma gracinha tb a rede-incubadora :-)

    ResponderExcluir

Bem vindo!,seu comentário é muito importante.